• Flávio Reis Duarte

O Estado é obrigado a fornecer medicamentos?

Essa é uma dúvida comum entre as pessoas que fazem uso constante de medicamentos, ou entre aquelas que, esporadicamente, necessitam realizar gastos elevados para a compra de remédios.

A Constituição assegura a todos o direito à saúde. Ainda, que a União, os Estados e os Municípios têm responsabilidade solidária pelo fornecimento de medicamentos.

No cenário jurídico atual, existem questões que estão pacificadas (decididas), e outras que ainda estão sendo discutidas.

É certo que o SUS possui uma lista de medicamentos de fornecimento gratuito. Para receber medicamento dessa lista, basta comparecer ao SUS, com documentos pessoais e a receita médica atualizada. A negativa do fornecimento pode ser combatida judicialmente, inclusive com a fixação de multa contra o Estado caso insista em descumprir a ordem.

Recentemente, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) também fixou que o Estado pode ser obrigado a fornecer medicamentos que não estão na lista do SUS, desde que preenchidos três requisitos: i) laudo médico fundamentado circunstanciado que comprove que o medicamento é imprescindível ao paciente, bem como a ineficácia dos medicamentos fornecidos pelo SUS; ii) que o medicamento seja registrado pela ANVISA e iii) que se comprove que a pessoa não possui condições financeiras para adquirir o medicamento.

A discussão atualmente travada pelos tribunais diz respeito à necessidade de comprovação da falta de condições financeiras para obrigar o Estado a fornecer medicamentos previstos na lista do SUS.

Existem decisões tanto no sentido de que o Poder Judiciário só pode obrigar o Estado a fornecer medicamentos para quem não tenha condições de comprar, quanto no sentido de que o acesso aos medicamentos da lista deve ser universal, independente das condições do paciente.

Um ponto importante, entretanto, é que a Constituição Federal e a Lei que prevê a oferta de medicamentos (Lei 8.080/90) não preveem diferenciação de renda para ter direito ao medicamento. Porém, os órgãos do Poder Judiciário discutem se cabe a eles determinar que o Poder Executivo pague medicamentos para pessoas que podem pagar.

No caso de dúvidas, o ideal é pedir ao médico que forneça os documentos necessários para que o medicamento seja solicitado ao SUS. Havendo recusa pelo SUS, entre em contato com um advogado, para verificar se são cabíveis medidas judiciais para obtenção do medicamento.

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo